Faça um samba enquanto o bicho não vem



Pobre Meu Pai

Sérgio Sampaio

Pobre meu pai
Quatro punhos espalhados no ar
Oito olhos vigiando o quintal
E o meu coração de vidro
Se quebrou
Doido meu pai
Sete bocas mastigando o jantar
Sete loucos entre o bem e o mal
E o meu coração de vidro
Não parou de andar
Pobre meu pai
A marca no meu rosto
É do seu beijo fatal
O que eu levo no bolso
Você não sabe mais
E eu posso dormir tranqüilo
Amanhã, quem sabe?
Hoje, meu pai
Não é uma questão de ordem ou de moral
Eu sei que posso até brincar
O meu carnaval
Mas meu coração é outro
Simples, meu pai
Faça um samba enquanto o bicho não vem
Saia um pouco, ligue o rádio, meu bem
Não ligue, que a morte é certa
Não chore, que a morte é certa
Não brigue, que a morte é certa

Comentários

senhorita rios disse…
Magnânimo!
Rodrigo Carneiro disse…
Curtiu? Sérgio Sampaio é poesia da brava. Valeu a visita
Bird's disse…
Um arame-farpado entreleçado no pescoço... muito foda!

Postagens mais visitadas