Virada(o)

Manhã de sol em janeiro
garrafas de champanhe,
sete rosas como oferenda
e corpos vestidos de branco
espalhados pela areia.

Permitam que não tenham donos
os corpos e os champanhes baratos
no romper de mais um incógnito ciclo
- lato em latim: januariu.

Ao cessar dos fogos de artifício,
os corpos esqueceram seus nomes.

Nada mais existe
e as ondas que avançam sobre a areia
encontram todos vestidos de branco
e os champanhes baratos
no primeiro dia de janeiro.

Comentários

Bruno Silva disse…
Muito bom, cara! Mandou mto bem. Mas tava pensando como isso tudo acaba depois das 12 badaladas do ano novo... esquisito isso.

Abraços!
Bruno Silva
http://ladobdocassete.blogspot.com
rodrigo carneiro disse…
Esquisito mesmo, Bruno. Mas a gente, como diria o La Carne, desconhece o rumo e vai. Grande abraço e obrigado pela visita.

Postagens mais visitadas