Todo poeta é marginal, desde que foi expulso da república de Platão



O jogo gratuito da poesia

"Há campos para todos. Caminhos não marcados a ninguém..."
(Hölderlin)

O fazer poético passa pelo corpo e pela cama. "A poesia se faz na cama como o amor...", isto para começar a conversa. A palavra registrada em livro é a mera extensão (sublimada) do que sobrou da Orgia. Todos nós somos labaredas provocadas pelo curto-circuito do Desejo. O resto é balacobaco, isto é, literatura.


Trecho de uma das últimas páginas de Estranhos sinais de Saturno (Editora Globo), livro mais recente de Roberto Piva. O feriado constitucionalista inicia-se com ele.

Ah, e a gravura que ilustra o post é Saturno devorando seus filhos, de Goya.

Comentários

Postagens mais visitadas