Estrada

Um automóvel de segunda mão,
a estrada.
Eu & meu terno,
amassados de ontem,
voltando para casa sozinhos.

A essa altura da manhã,
os raios solares têm a determinação
dos jogadores de rugby,
explodem inclementes no pára-brisa.

Os óculos escuros avariados,
cigarro pendendo no canto do lábio,
o sono comprometido por devaneios infundados,
dama de copas (você) na imaginação
& à frente
só informações turvas
nas placas de sinalização.



Súplica de verão*

Deixa a regata do Kiss
Um suvenir sentimental
Quando tudo mais ruir
É onde eu vou me agarrar

Arde o sol d’O Estrangeiro
Tua epiderme vai queimar - é um alerta
Já incompleto por inteiro
Eu suplico: amor, não vá

* pode ser de inverno também. aliás, em que estação do ano estamos mesmo?

Comentários

Postagens mais visitadas