Delicadeza e veemência de Sonny Rollins

Foto do hotsite do Tim Festival

Sonny Rollins retornou ao Brasil (esteve aqui pela última vez em 1985) e fez estragos consideráveis no palco do Auditório Ibirapuera nesta terça-feira, 21. O saxofonista norte-americano abriu com chave de ouro a programação do Tim Festival 2008. É como eu dizia ao amigo José Flávio Júnior, o cara é uma lenda do jazz, um colosso – como atesta o álbum Saxophone Colossus, de 1956, mas não dá a mínima para isso. Faz de seu ofício um júbilo novo e afasta de si o cálice de lenda viva. Não foram poucos os momentos em que ele marcou os compassos com as mão gigantes, curtindo muito o som produzido, e observou a performance fluida de seus companheiros de banda, o trombonista Clifton Anderson, o guitarrista Robert Broom, o baixista Bob Cranshaw e o baterista Kobie Watkins.

Após os aplausos ruidosos da platéia diante de composições do naipe de "Strode Rode" e "Nice Lady", o saxofonista mandou: "Muito obrigado a todos! Vou tocar mais algumas músicas, caso tenha fôlego para continuar. Mas, claro, isso foi uma piada."

Piada mesmo, temas como "They Say It's Wonderful", de Irving Berlin; "I'm a Sentimental Mood" , baladaça de Duke Ellington; "Someday I'll Find You", standard de Noel Coward, foram interpretados num misto de delicadeza e veemência. Trunfos como "Tenor Madness", do disco que ele gravou com John Coltrane em 1956, e "Isn't She Lovely", de Stevie Wonder, também foram jogados na mesa para o deleite da audiência – e do quinteto ali em cima do palco. Não contente com a robustez do repertório apresentado, Rollins ainda mostrou que é um grande showman. Lá pelas tantas, postou-se quase que na beirada do palco, inclinado para frente, num solo incrível. Tem 78 anos bem vividos.

Digo tudo isso para alertar que a apresentação GRATUITA que Sonny Rollins faz no sábado, dia 25, às 11 h, no Parque do Ibirapuera, em São Paulo, é programa obrigatório para aqueles que gostam da música, e, por ventura, não estiveram no Auditório ontem.

Comentários

Alemão Moura disse…
Estaremos lá, com certeza. Eu e todos aqueles que não tiveram o privilégio privé do Auditorium. Aliás, meu projeto de lei: show bão, acima de 3 dígitos, deveria ter apresentação gratuita obrigatória. Vamos socializar a cultura Rodrigão.

Forte abraço!
Rodrigo Carneiro disse…
Vai mesmo, rapaz! E eu assinaria fácil o teu projeto lei. Música, e arte em geral, para o povo. Abraço
Anônimo disse…
Sonny Rollins to the People!!!!Lembrei até de uma piração do primeiro disco do DeFalla: "Domingo eu vou acordá / botá uma roupa beeem limpinha / e vou correr no Ibirapuera /[[prudiabo queocarrégue EduK!]]haha Staremos lá com certezz!abç
Rodrigo Carneiro disse…
Classe demais esse disco com aquelas vinhetas estranhas, ahaah.

Postagens mais visitadas