Agatha no Culturarte



Tento fugir do tom por demais emocional, mas não consigo. Acho que nem é o caso. Deixa cair então. O que vemos acima é o Agatha em 1989. O quarteto pode ser entendido como gênese do La Carne, uma das minhas bandas prediletas. Na formação, garotos do subúrbio, como eu, dando vazão às inquietações artístico juvenis e obcecados por temas que iam muito além do esperado para tipos como aqueles. Preferências estéticas que nos aproximaram e definiram os caminhos que tomamos na vida adulta. O bagulho é doido, truta. Não suficiente, são imagens captadas no auditório do espaço cultural de guerrilha, é, guerilha, que meus pais, Ricardo Dias e Mercedes de Souza, tinham na cidade de Osasco, o Culturarte, em fins dos anos 1980 e começo dos 1990 (nos anos 1970 eles criaram - militaram em – outro espaço importante para a região, o Núcleo Expressão). Por isso, rever esses moleques tocando um rock esquisito lá na rua Pedro Fioretti é para mim uma viagem interna sem escalas.

Agradeço à rapaziada do Big Rec Studio, em especial ao Chicão, por ter postado tal relíquia no YouTube.

Comentários

akirarw disse…
é mesmo grupo que tocou uma faixa no véio programa garagem?
rodrigo carneiro disse…
provavelmente. sei que fizeram um daqueles "clipe independente" da brasil 2000, sabe?
akirarw disse…
ah sim, me lembro. no mesmo programa do Garagem também rolou a primeira versão demo de She's Keeping Time e Love To Love do Pin Ups e tava bem mais pesadão que no Scrabby.
Anônimo disse…
La Nave Va, brimo.
Abç (e mto tks)
rodrigo carneiro disse…
é noise, brimo. desde o século 20. forte abraço.
tio americo disse…
puta que pariu eu tava ai ...
Este comentário foi removido pelo autor.

Postagens mais visitadas