Diante da beleza

No sábado à noite, eu conversava com o querido Xico Sá antes do início da homenagem ao vigoroso poeta Roberto Piva no b_arco, em São Paulo. De repente, uma amiga do Xico, atriz lindíssima, metida em roupas luminosas e com olhos, desculpe o velho Machado, de ressaca, surgiu e cumprimentou o escriba. O parceiro de prosa me apresentou à moça e ela se pôs a ronronar algo sobre poesia e fome, que sentia. Nos deixou completamente embasbacados com o conteúdo e a forma e foi em direção à lanchonete do espaço cultural. “Quando penso que já me acostumei com as mulheres, acontece uma cena dessas”, me disse o Xico. “Até parece que não temos mães”. Caímos na gargalhada. Os dois pobres diabos, marujos enfeitiçados, diante da beleza.

Comentários

Betao disse…
Se ronronou, é
xico sa disse…
Carneirovski,claro q nao lembrava de nada.so da farra. grande recuerdo. e viva as moças com fome de viver.abraçoo
rodrigo carneiro disse…
Hehe. Viva elas! Um abraço, querido.

Postagens mais visitadas