Soul Power



Estreia hoje em São Paulo uma das coisas mais sensacionais dos últimos tempos, o documentário O Poder do Soul (Soul Power, 2009). Dirigido por Jeffrey Levy-Hinte, o filme é o registro musical do histórico embate entre os pesos-pesados Muhammad Ali e George Foreman no Zaire (atual República Democrática do Congo), África, em 1974. Fora a luta em si – um espetáculo com E gigante para quem, como eu, aprecia boxe -, artistas como B.B.King , James Brown, Miriam Makeba, The Spinners, Bill Withers, Celia Cruz, entre outros, alternaram-se explosivamente no palco. Está tudo ali: a complexidade de produção de um evento como aquele no Zaire dos anos 1970, as trapalhadas e a corrupção do governo local - o horrendo ditador Mobutu Sese Seko dava as cartas por lá e desembolsou 10 milhões de dólares para bancar a festança -, as reflexões dos artistas negros que pela primeira vez pisavam em território africano, as provocações de Ali e o silêncio de Foreman. Um desbunde. O episódio esportivo/musical já havia sido tema de outro documentário supimpa, Quando Éramos Reis (When We Were Kings, 1996), que trata mais da nobre arte e foi montado pelo diretor d’O Poder do Soul. Ah! Ali venceu a luta.

Comentários

Anônimo disse…
Obrigatório esse documentário! Muito bom. (Acabo de escrever um artigo sobre Patrice Lumumba...pena ele não ter conseguido escapar do carrasco chapéu-de-onça. Fico imaginando a presença explosiva dele nesse show. O negão ía causar! rs) Abraços
rodrigo carneiro disse…
Pois é, ia mesmo. Grande liderança africana. Salve Lumumba!
Fernando Pimenta disse…
Parece ser muito bom esse documentário - um must para o ano que vem. Faltou dizer que Zaire hoje chama-se República Democrática do Congo. É como citar Burma/Birmânia e não atualizar o nome para Mianmar. Uma burocracia linguística necessária.

Postagens mais visitadas